terça-feira, 30 de agosto de 2011

A Cidade dos Príncipes comemora hoje 98 anos de emancipação

Por AMREC

"Por ocasião do casamento de Suas Altezas Imperiais, a Princesa Isabel Cristina Leopoldina Augusta Michaela Gabriela Rafaela Gonzaga de Bragança e o Conde d´Eu, ocorrido em 15 de outubro de 1864, foi determinado pelo Imperador Dom Pedro II e pela Imperatriz Teresa Cristina um dote de terras cuja macro localização foi estabelecida por ato assinado em 17 de outubro de 1870, fixando em 98 léguas a serem escolhidas nos estados de Santa Catarina e Sergipe.
Iniciaram em 1881 a medição de uma gleba de 12 léguas, que ocupava o espaço entre os rios Tubarão e Braço do Norte, onde hoje se situam os municípios de Orleans, parte de São Ludgero, Grão-Pará, Rio Fortuna, Santa Rosa de Lima, abrangendo ainda parte dos municípios de Anitápolis, Armazém, São Martinho e São Bonifácio.

A Colônia Grão-Pará foi criada, em 1882, para promover a ocupação das terras com colonos imigrantes e nacionais. Iniciada a distribuição das terras aos imigrantes italianos, alemães, letos e poloneses desenvolveu-se paralelamente à construção da estrada de ferro para atender principalmente a região carbonífera .

Por ocasião de uma visita do Conde d´Eu, ele próprio declarou: "Aqui nascerá uma cidade com o nome de Orleans". O nome foi uma homenagem a sua própria família da nobreza de França. A escolha do nome e de sua localização determinou a tomada de grandes providências, já em 1885, com a abertura de ruas, venda dos primeiros lotes e construção da Capela nas imediações da estrada de ferro.

Pela Lei Provincial nº 1218, de 2 de outubro de 1888, foi criado o Distrito de Orleans do Sul, começando aí o seu desenvolvimento. O município surge como resultado de um trabalho das lideranças locais os políticos de Tubarão, liderados pelo Deputado Acácio Moreira pela Lei Estadual nº. 981 de 30 de agosto de 1913, ocorrendo a instalação a 20 de outubro desse ano.

Era composto dos distritos da Sede, Lauro Müller, Grão-Pará e Palmeiras com 1124 km2. Na divisão territorial fixada pelo Decreto Lei 941 de 31 de dezembro de 1943 a grafia do nome do município passou para Orleães e Distrito de Palmeiras para Pindotiba. Em 1970, voltou a grafia original de Orleans, a pedido do Príncipe Dom Pedro de Orleans e Bragança, quando visitou o município. O Distrito de Lauro Müller foi emancipado em 5/10/56, o distrito de Grão-Pará em 21/6/58 e finalmente uma parte de São Ludgero transformada em município em 14/6/63. Dos desdobramentos ocorridos nasceram de Orleans de 1913 os municípios de Lauro Müller, Grão-Pará e São Ludgero. Sua área remanescente está em torno de 600 km2. Orleans com a área original estaria com cerca de 50.000 habitantes hoje."
 
Fonte: ORLEANS 2000 - Jucely Lottin
Disponível na íntegra no http://www.orleans.sc.gov.br/historia



_________________________

Nota:

Na França, o Conde d'Eu e a Princesa Dona Isabel

Completou-se, no dia 28 de agosto, 89 anos de falecimento do Conde d'Eu, Príncipe Gastão d' Orléans, marido da Princesa Dona Isabel, a Redentora. 

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

O casamento do Príncipe Jorge Frederico da Prússia com a Princesa Sofia de Isenburg


Celebra-se um garnde casamento principesco este sábado, 27 de agosto, em Potsdam, na Alemanha. O Herdeiro do Trono Imperial da Alemanha e Real da Prússia, Príncipe Jorge Frederico, vai casar com a Princesa Sofia de Isenburg. Estão sendo esperados cerca de 700 convidados, notadamente numerosos membros da Realeza européia e da nobreza alemã. Este evento será muito especial, logicamente, para os alemães, mas não só. O casamento será importante também para os admiradores da monarquia e das Famílias Reais, Imperais e Principescas do mundo, pois é cada vez mais raro, tanto nas Famílias Reinantes e não Reinantes, o casamento em igualdade de nascimento.


O Príncipe Jorge Frederico da Prússia tem 35 anos, sendo trineto do Kaiser Guilherme II, último Imperador da Alemanha. É filho do Príncipe Luis Ferdinando, que morreu em 1977, com 33 anos, quando o filho tinha apenas um ano de idade, num acidente quando prestava seu serviço militar. Sua mãe é a Princesa Donata, nascida Condessa de Castell-Rüdenhausen, de uma grande família da nobreza alemã (família meditizada, considerada igual às famílias reais). Jorge Frederico tornou-se o Herdeiro dos Tronos Imperial da Alemanha e Real da Prússia em 1994, quando morreu seu avô, Luis Ferdinando, neto do Kaiser Guilherme II.

O Príncipe estudou em escolas da Alemanha e passou uma temporada num colégio na Escócia. Estudou Administração, especializando-se em gestão de negócios, sendo hoje consultor de empresas, em Rostock. Serviu o Exército por dois anos, sendo major (comandante) da reserva da 10ª Panzerdivision em Sigmanringen. Ainda como estudante, passou seis meses no Equador, e ao que se diz adora a América Latina e a língua espanhola.

É de se notar também que a mãe do Príncipe Jorge Frederico da Prússia, viúva, casou em segundas núpcias com o Duque Frederico Augusto de Oldenburgo, pai (pelo seu primeiro casamento com a Princesa Maria Cecília da Prússia) do Duque Paul de Oldenburgo, que se converteu ao catolicismo, sendo um dos dirigentes da TFP alemã, muito amigo dos Príncipes Dom Luiz, Chefe da Casa Imperial do Brasil e de Dom Bertrand de Orleans e Bragança, Príncipe Imperial do Brasil.

A Princesa Sofia de Isenburg, que tem 33 anos, pertence a uma família nobre da região do Reno, conhecida desde o séc. X.  Já no século seguinte usavam o título de Condes, sendo Condes do Santo Império desde 1442. Foi por um momento família soberana, num dos numerosos pequenos Estados da Alemanha. A I linha, a que Sofia pertence, de Birstein, sendo Príncipes do Sacro Império desde 1744. A família foi mediatizada depois do Congresso de Viena – como os Castell acima citados - ou seja, é considerada igual às famílias soberanas da Europa. O trisavô da Princesa Sofia, Carlos, Príncipe de Isenburg e Büdingen (1838-1899), converteu-se ao catolicismo, tendo casado com a Arquiduquesa Maria Luisa da Áustria, filha do Grão-Duque Leopoldo II da Toscana e da Princesa Maria Antonieta de Bourbon das Duas-Sicílias (irmã da imperatriz do Brasil Dona Teresa Cristina).

A Princesa Sofia é uma dos cinco filhos do atual Chefe da Família, Francisco Alexandre, Príncipe de Isenburg e de sua esposa, Cristina, nascida Condessa de Saurma. É neta paterna do Príncipe Francisco Ferdinando e de Irina, Condessa Tolstoy, da nobreza russa. É neta materna do Conde Acácio de Saurma, Barão de Jelsch, e de Maria Blanca, Condessa de Maldeghem. Uma irmã da Princesa Sofia, Catarina, é casada com o Arquiduque Martin da Áustria, e outra, Isabela, é a esposa de Carlos, Príncipe de Wied.

A noiva trabalhava até agora em Berlim, como consultora de organizações sem fins lucrativos.

Sendo o noivo evangélico e a noiva católica, será um casamento misto. Possivelmente houve uma dispensa da Igreja Católica para a celebração do matrimônio com o rito protestante, mas se informa que estará presente, tendo alguma atuação da cerimônia, o Padre Gregório Henckel de Donnersmarck (conde de Donnersmarck), abade da Abadia cisterciense de Heiligenkreuz, perto de Viena.

Na noite do casamento será oferecido um jantar de gala para 370 convidados e na véspera da celebração terá lugar um concerto em benefício da Fundação Princesa Kira da Prússia (que leva o nome da avó do príncipe Jorge Frederico).

O casamento será transmitido ao vivo pela rede RBB.

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

"Príncipe Dom Bertrand destaca a importância da educação em visita à Unimontes"

Por UNIMONTES




"O príncipe imperial Dom Bertrand de Orleans e Bragança, herdeiro da família imperial do Brasil, visitou o campus-sede da Universidade Estadual de Montes Claros na tarde desta segunda-feira (22). No primeiro momento, ministrou palestra sobre a história do País aos alunos do projeto 'Poupança Jovem' e do 'Núcleo de Atividades para Promoção da Cidadania' (NAP), ambos coordenados pela Unimontes. Em seguida, participou de audiência com a vice-reitora, professora Maria Ivete Soares de Almeida, e visitou o Hospital Universitário Clemente de Faria (HUCF).

Bisneto da princesa Isabel e trineto de Dom Pedro II, o príncipe Bertrand teve seu currículo apresentado pela pró-reitora de Extensão, Marina Ribeiro Queiroz. Em sua palestra, enalteceu o ensino médio e superior como a grande perspectiva de futuro do Brasil. “Os jovens estudantes retratam com fidelidade este ideal de vida a partir da educação”, comentou. Logo após, apresentou um breve histórico do Brasil a partir de seu descobrimento.

principe_web

Em audiência, a professora Maria Ivete Soares de Almeida, reitora em exercício, destacou ao príncipe Dom Bertrand de Orleans e Bragança a atuação da Unimontes com 12 mil alunos regularmente matriculados em seus 11 campi e nos polos de educação a distância, assim como os avanços na pós-graduação Stricto sensu nove mestrados próprios e seu primeiro doutorado.

Principe_Ivete_web

Na visita ao HUCF (hospital-escola da Unimontes), a vice-reitora destacou a condição de o único hospital genuinamente público do município, bancado integralmente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). 'A Unimontes abrange cerca de 30% do território mineiro, com compromissos permanentes com a comunidade regional, principalmente no aspecto social', observou a professora Maria Ivete."

"Príncipe Imperial do Brasil visita Prefeitura de Montes Claros"

Por: Luís Alberto Caldeira





"Príncipe Imperial do Brasil, D. Bertrand de Orleans e Bragança foi visita ilustre na tarde de terça-feira (23/08) na Prefeitura de Montes Claros. Na oportunidade, o chefe do Executivo Luiz Tadeu Leite contou sua trajetória pessoal e política e detalhou ao herdeiro real dados econômicos e culturais da região, ressaltando que Montes Claros tem a quinta maior população de Minas Gerais e que atualmente é o terceiro maior gerador de empregos, além de se destacar nas atividades de pecuária de corte, industrialização e educação superior.


Lembrou de importantes obras que a Prefeitura vem realizando de forma a preservar a história da cidade, que completou, em julho último, 154 anos de emancipação político-administrativa. Um dos exemplos é o Corredor Cultural, onde, além de abrigar casarões antigos (alguns já restaurados), também dará palco para eventos culturais, como foram as apresentações de serestas durante as Festas de Agosto deste ano.

O prefeito Tadeu Leite também citou a qualidade de Montes Claros como polo regional, ao fato de ser convergência geográfica para atender a demanda de saúde e formação acadêmica de municípios do Norte de Minas e Sul da Bahia.
O príncipe recebeu de presente uma cesta com produtos típicos da culinária e artesanato regional e um CD com canções folclóricas gravadas por Catopês, Marujos e Caboclinhos. Também esteve presente ao encontro a Cônsul Honorária D. Maria Fernanda Ramos.

 



D. Bertrand é bisneto da Princesa Isabel e trineto do Imperador Dom Pedro II, último monarca dos brasileiros. Em sua passagem por Montes Claros, desde segunda-feira, o príncipe visitou a Fundação Sara, entidade de apoio a crianças em tratamento de câncer, palestrou na Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) e esteve na Sociedade Rural e no 55º Batalhão de Infantaria."

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Os 100 anos da Condessa de Paris, Dona Isabel de Orleans e Bragança

Completaria 100 anos no passado dia 13 de agosto de 2011, a falecida Condessa de Paris.


Nascida Dona Isabel Maria Amélia Luísa Vitória Teresa Joana Miguela Gabriela Rafaela Gonzaga de Orleans e Bragança e Dobrzensky de Dobrzenicz, Princesa de Orleans e Bragança, em 13 de agosto de 2011, era filha de Dom Pedro de Alcântara e da Condessa Dona Maria Elisabeth Dobrzensky de Dobrzenicz.

Condessa de Paris por casamento em 8 de abril de 1931, esposando Henri, Herdeiro do Trono francês, seria ela, se a Monarquia ainda fosse a forma de governo, a Rainha da França. Do seu casamento nasceram 12 filhos, 39 netos e 91 bisnetos.



Dona Isabel nasceu no exílio da Família Imperial do Brasil, na França, partindo de lá, pelo casamento, também para o exílio, desta vez o da Família Real da França, revogado apenas em 1950. Ao lado do marido desenvolveu importantes trabalhos em favor do partido orleanista francês, mantendo vida social ativa e contato com monarquistas franceses e brasileiros.



Autora de livros biográficos, a Condessa de Paris era conhecida por sua elegância e fineza. Reconhecida como uma das grandes matriarcas do Gotha, era na juventude, uma das mulheres mais bonitas da época. A forte presença de espírito, caráter, altivez e postura, fizeram da Condessa de Paris, mesmo na república francesa, uma Rainha.



Seu falecido primo, S.A.I.R., o Príncipe Dom Pedro Henrique de Orleans e Bragança, Chefe da Casa Imperial do Brasil (de 1922 a 1981), com quem passou toda sua infância em alegres momentos e a quem a Princesa convidou para ser padrinho de casamento, completou 100 anos em 2009. 

domingo, 21 de agosto de 2011

Dom Bertrand presente a inauguração de Centro Cultural em homenagem à matriarca do sertão benemérita do Império

"Prefeito participa de inauguração do Centro Cultural 'Dona Joaquina de Pompéu'


Prefeito participa da inauguração do Centro Cultural Dona Joaquina de Pompéu


No evento, ocorrido em Pompéu, dia 20 de agosto, marcado por presenças ilustres, o prefeito Ângelo Roncalli esteve com o Príncipe Imperial, bisneto da Princesa Isabel, Dom Bertrand de Orléans e Bragança. Cumprimentou também os cônsules de Moçambique, Deusdete Januário; de Senegal Ibrahima Gayer; de Portugal, André Sopas Bandeira; prefeito de Pompéu, Joaquim Reis; além de deputados, promotores públicos, escritores, entre outros.

Na solenidade, houve vários discursos sobre a patrona do museu, Dona Joaquina do Pompéu. A homenageada, nascida no século 18, é reconhecida como uma mulher a frente de seu tempo. Grande empreendedora, Joaquina de Pompéu, foi proprietária de milhões de hectares de terra, mil escravos e milhares de cabeças de gado. Em 1808, abasteceu com mantimentos e animais, a Corte Portuguesa recém-chegada ao Brasil. Dom João VI concedeu-lhe honras. A força e o poder de Joaquina se intensificou no oeste de Minas, e sua história perdura há dois séculos.

Roncalli afirmou: 'É uma honra participar de um evento com tamanha riqueza cultural em nossa região, além de conhecer a história de Pompéu, de  poder estar próximo ao povo pompeano e estar em contato com personalidades tão relevantes.'"

INAUGURACAO DO CENTRO CULTURAL DONA JOAQUINA DO POMPEU

Por PELOTÃO DA POLÍCIA MILITAR DE POMPEU

"No dia 20 de Agosto de 2011,  as 17 horas realizou-se, na AV. JOÃO SERRA MACHADO nº 22 Bairro São Jose, a inauguração de CENTRO CULTURAL DONA JOAQUINA. O evento foi aberto pelo Exmo Sr Prefeito de Pompéu Joaquim de Campos Reis. Estavam presentes as seguintes Autoridades:

- Sua Alteza Imperial, Dom Bertrand de Orléans e Bragança, Príncipe Imperial do Brasil.
- Dom Waldemar Chaves de Araújo, Bispo Emérito de São João Del Rei/MG.
- Eliane Parreiras – Secretária de Estado de Cultura.
- Dr. Belizário Corrêa de Lacerda, Desembargador do TJMG.
- Dr. Alceu José Torres Marques, Procurador Geral de Justiça do Estado de Minas Gerais.
- Dr. Marcos Paulo de Souza Miranda, Promotor de Justiça Coordenador da CPPC.
- Dr. André Sopas de Melo Bandeira, Cônsul de Portugal em Belo Horizonte.
- Dr. Deusdete Gonçalves, Cônsul de Moçambique em Belo Horizonte.
- Sr. Ibrayma Gaye, Cônsul Honorário do Senegal em Belo Horizonte.
- Dep. Federal Eduardo Barbosa.
- Dep. Estadual Duílio de Castro.
-Juíza de Direito e Promotor da comarca de Pompéu e outras autoridades. A Banda de Música do 7º BPM e a banda de Pompéu participaram do evento.
Houve um show musical com as Bandas Minas em Serenata e Banda Delta."

sábado, 20 de agosto de 2011

Dom Bertrand prestigia abertura de centro cultural em Pompéu, Minas Gerais

 | Por: Divulgação
 Divulgação
"Centro Cultural


Em uma bela iniciativa de preservação do patrimônio histórico, a cidade de Pompéu (MG) inaugura, no próximo dia 20 de agosto, o Centro Cultural Dona Joaquina. Fazendeira e dona de escravos, entre outros títulos, ela ficou conhecida como a Rainha do Sertão. O espaço que leva seu nome foi concebido para se tornar um dos mais importantes centros de referência de estudo da história do matriarcado colonial mineiro. O governador Antonio Anastasia e dom Bertrand de Orleans e Bragança são algumas das presenças esperadas para a festa de inauguração."

S.A.I.R. o Príncipe Dom Bertrand na Inauguração do Centro Cultural Dona Joaquina, em Pompéu, Minas Gerais

"INAUGURAÇÃO DO CENTRO CULTURAL 'DONA JOAQUINA'

Neste sábado, 20 de agosto, às 17:00 horas, a Prefeitura de Pompéu estará inaugurando o Centro Cultural “Dona Joaquina do Pompéu”, composto pelo Museu e pelo moderno prédio “Belizário de Lacerda”, que abrigará a Secretaria de Cultura.

A data coincide com o aniversário da poderosa matriarca,. Dona Joaquina Bernarda da Silva de Abreu Castelo Branco Souto Maior de Oliveira Campos que nesta data nasceu há 254 anos, em 1752. Para se ter idéia da importância de Dona Joaquina, não só para a região, ou para a província, mas para o Império do Brasil, suas posses chegaram a 4 milhões de hectares de terras e ao falecer, aos 72 anos de idade em 1824 contava com 43.560 cabeças de gado, conforme consta de seu inventário realizado em 1825. Foi esta fortuna que lhe possibilitou enviar para a corte real, no Rio, todo o alimento necessário para alimentar a Corte Portuguesa que aportava no Brasil em 1808, com a vinda de Dom João VI para o Brasil. Dona Joaquina foi sepultada na capela do cemitério do Pompéu Velho, onde até hoje são sepultados muitos de seus descendentes.


O ponto máximo da solenidade será a inauguração do Museu, instalado no casarão construído por um bisneto de Dona Joaquina, Antônio Cândido Castelo Branco na Fazenda do Laranjo, há 140 anos. O casarão, construído em terreno que será ocupado por uma hidrelétrica, foi demolido, trazido para Pompéu e aqui reconstruído com o objetivo único de ser o museu.


Dom Bertrand de Orléans e Bragança


Mas, como dizíamos, o ponto alto da solenidade de inauguração será a presença de Sua Alteza Imperial e Real Dom Bertrand Maria José Pio Januário Miguel Gabriel Rafael Gonzaga de Orléans e Bragança e Wittelsbach, que é bisneto da Princesa Isabel e trineto de D.Pedro II. Dom Bertrand cortará a fita inaugural e também será agraciado com a “Medalha Joaquina do Pompéu”


Para a solenidade espera-se a presença de cerca de 50 prefeitos e várias autoridades de várias partes do País, muitos deles, descendente de Dona Joaquina que casada aos 12 anos de idade, teve 10 filhos, 87 netos, 333 bisnetos, 1108 trinetos e estima-se que sua descendência já alcance hoje mais de 40.000 pessoas.


Na oportunidade, 19 pessoas receberão a “Medalha Dona Joaquina”, destinada a pessoas que contribuíram para o progresso de Pompéu.


Caber-nos-á a honra de conduzir de conduzir a solenidade."

Casarão em Pompéu homenageia "Dama do Sertão" - Dom Bertrand estará presente

"Imóvel reconstruído nos moldes do original, datado de 1871, vai abrigar centro cultural com espaço para palestras e exposições.

Por Gustavo Werneck em em.com.br

Obras do prédio demoraram quase dois anos e, agora, moradores terão mais um espaço para a cultura (Beto Novaes/EM/D.A Press)
Obras do prédio demoraram quase dois anos e, agora, moradores terão mais um espaço para a cultura

Pompéu – A história de uma das mulheres mais influentes das Gerais, na segunda metade do século 18 e início do 19, ganha, amanhã, um marco para se manter viva e se tornar mais conhecida pelos brasileiros, além de valorizar a Região Centro-Oeste do estado. Com uma festa na cidade localizada a 181quilômetros de Belo Horizonte, será inaugurada às 17h o Centro Cultural Dona Joaquina do Pompéu, misto de museu, anfiteatro e área administrativa, que guarda objetos pertencentes à chamada Dama do Sertão, batizada Joaquina Bernarda da Silva de Abreu Castelo Branco Souto Mayor de Oliveira Campos (1752-1824). Conforme as pesquisas, a mineira natural de Mariana era valente, empreendedora e grande criadora de gado, destacando-se pelo fornecimento de alimentos para a corte portuguesa tão logo dom João VI (1767-1826) desembarcou no Rio de Janeiro em 8 de março de 1808.

O casarão de dois pavimentos e pintado de azul e branco, que a partir de agora vai abrigar a memória e se tornar referência cultural em Pompéu, está reluzindo de tão novo, principalmente nestes dias claros e ensolarados. Mas se engana quem imaginar a construção como simples cópia das propriedades rurais coloniais. Nada disso. Ela data de 1871 e foi erguida pelo bisneto de dona Joaquina Antônio Cândido de Campos Cordeiro nas terras da antepassada ilustre – a Fazenda do Laranjo, perto do Rio Paraopeba. O prédio com 18 janelas e cercado de varandas, ainda sem tombamento municipal, esteve prestes a desaparecer do mapa devido à construção de uma represa para a Usina Hidrelétrica de Retiro Baixo.

O patrimônio foi salvo da destruição e de ficar sob as águas graças a um acordo judicial firmado em 2008, dentro de ação civil pública proposta pelo Ministério Público Estadual (MPE) com um consórcio formado pelas empresas Orteng e Arcadis Logo, que se comprometeram a desmontar toda a fazenda, então a 60 quilômetros do Centro de Pompéu, e reconstruí-la, tal como era, externa e internamente, na cidade. A operação foi toda bancada pelo consórcio e custou R$ 2,3 milhões, ficando o complexo cultural no domínio da prefeitura local. “Hoje ela poderia estar a seis metros de profundidade”, ressalta o diretor do centro cultural, vinculado à Secretaria Municipal de Cultura e Desportos, Hugo de Castro, um dos 80 mil descendentes de dona Joaquina espalhados Brasil afora e documentados em livro. O cumprimento do acordo foi acompanhado pela Coordenadoria das Promotorias de Justiça de Defesa do Patrimônio Cultural e Turístico (CPPC/MG).

Dentro do centro serão expostos objetos como o oratório diante do qual dona Joaquina rezava (Beto Novaes/EM/D.A Press)
Obras do prédio demoraram quase dois anos e, agora, moradores terão mais um espaço para a cultura


Durante toda a semana, o movimento foi intenso no centro cultural, circundado por piso de pedras originais, o lajeado, amplo gramado no fundo, com mudas de aroeira, cedro e jequitibá, e um anfiteatro construído com a madeira do curral da fazenda primitiva. “Acreditamos que este local será um divisor de águas na cultura de Pompéu, com atividades para os moradores, palestras, exposições e divulgação da nossa história”, conta Castro. No interior do casarão, foi mantida, aparente, uma parede de pau a pique para os visitantes terem ideia do sistema construtivo do século 19, uma escada, bem como vigas, barrotes e outras peças de madeira centenárias.

Espadas e bengalas

Dentro das normas de acessibilidade e contando até com elevador, o casarão vai abrigar o Museu da Cidade, incluindo mobiliário, objetos domésticos, cálice, fotografias, bengala com cabo de bronze, espadas do filho e neto da matriarca, oratórios diante dos quais dona Joaquina rezou e outros pequenos tesouros. No período de obras de transferência da fazenda, com duração de menos de dois anos, foi feito também um trabalho de escavação no terreno da antiga fazenda. O resultado está em vitrines contendo fragmentos de porcelana, e ainda ferramentas, ferraduras, fivelas de cintos, tesouras etc. Na varanda da frente, chama a atenção um banco de sete metros de comprimento, réplica em ipê do existente em outra propriedade rural de dona Joaquina.

'A comunidade teve grande participação na montagem do acervo. Recebemos muitas doações, como os oratórios, e empréstimos de peças”, conta o diretor com orgulho. Ele explica que o primeiro andar do prédio será espaço de exposições, complementado pelo charme de um café. Já o segundo pavimento será dedicado à memória da matriarca, que tem a vida ainda envolta em lendas e números superlativos, já que seria dona de cerca de 1 mil escravos e de terras do tamanho da Holanda, Bélgica e Luxemburgo. “Esta será também uma ótima oportunidade para que a vida de dona Joaquina, que terá comemorados, em 2012, 260 anos de nascimento, seja estudada a fundo', espera o diretor. Hugo adianta que até o fim do ano o conjunto será oficialmente tombado.
A cerimônia de inauguração contará com a presença de dom Bertrand de Orleans e Bragança, segundo na linha de sucessão do trono brasileiro, e autoridades.

Quadro de Yara Tupynambá retrata dona Joaquina com um pé calçado e outro descalço (Beto Novaes/EM/D.A Press)
Quadro de Yara Tupynambá retrata
dona Joaquina com um pé
calçado e outro descalço
 Pés em dois mundos

No salão nobre da Câmara Municipal de Pompéu, há um quadro de autoria de Yara Tupynambá, de 1998, que retrata a figura empreendedora e determinada de dona Joaquina do Pompéu. O curioso é que ela está com os pés em dois mundos: um calçado, que simbolizaria as suas ligações com a corte, e outro descalço, mostrando ser uma legítima “dama do sertão”. Joaquina Bernarda era filha do português Jorge de Abreu Castello Branco , que, depois de ficar viúvo, se ordenou padre. Em 1736, a família se mudou para Pitangui, na Região Centro-Oeste, onde a menina Joaquina, de 12 anos, se casou com o capitão Inácio de Oliveira Campos, neto do bandeirante Antônio Rodrigues Velho, conhecido como Velho da Taipa.  O casal foi morar na Fazenda de Nossa Senhora da Conceição, que pertencera a Antônio Pompeu Taques, primeiro morador da região – o nome da cidade é uma homenagem a ele. Conforme pesquisas, ela teria um patrimônio de “1 milhão de alqueires de terra, 56.932 cabeças de gado, 2.411 juntas de bois carreiros, cerca de 10 mil cavalos e mais de 1 mil escravos”. A sanha empreendedora teria aflorado com a doença do marido, que ficara paralítico, obrigando-a a ficar à frente dos negócios. Além da remessa de 200 cabeças de gado para a corte, ela doou animais para alimentar as tropas na batalha da Independência (1822). Está sepultada em Pompéu."

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

"Bisneto da princesa Isabel, o príncipe Dom Bertrand visita Montes Claros"

Por Jornal Montes Claros


DBertrand Bisneto da princesa Isabel, o príncipe Dom Bertrand visita Montes Claros
Príncipe Dom Bertrand de
 Orleans e Bragança,
 bisneto da princesa Isabel

A Universidade Estadual de Montes Claros receberá nesta segunda-feira (22/8), a visita do príncipe Dom Bertrand de Orleans e Bragança, bisneto da princesa Isabel. Após ser recebido na reitoria, às 14h30, proferirá palestra sobre “A História do Brasil”, no auditório Mário Ribeiro da Silveira (prédio 6 – campus-sede). 

A palestra será aberta à comunidade acadêmica e ao público em geral, com entrada franca. Serão convidados os participantes do Projeto Poupança Jovem (desenvolvido pela Unimontes em parceria com o Governo de Minas) e do Núcleo de Atividades para Promoção da Cidadania (NAP), que atende cerca de 400 alunos do ensino fundamental e médio da rede pública, com aulas de reforço em diversas disciplinas nos prédios do campus-sede.

Na seqüência, acompanhado da vice-reitora Maria Ivete Soares de Almeida, o príncipe Dom Bertrand de Orleans e Bragança visitará o Hospital Universitário Clemente de Faria, a fim de conhecer de perto os serviços oferecidos pela unidade. 

O monarca cumprirá programação em Montes Claros, com visita à sede da Sociedade Rural, na segunda-feira, às 18 horas. Ele permanecerá na cidade até terça-feira (23), quando fará visitas ao 55º Batalhão de Infantaria do Exército (10h30) e ao gabinete do prefeito Luiz Tadeu Leite (14h30). Está previsto, ainda, para as 19 horas, encontro com a presença do arcebispo metropolitano Dom José Alberto Moura.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011

IV Encontro Monárquico de Belo Horizonte

Organizado pelo Círculo Monárquico de Belo Horizonte, ocorre de 19 a 21 de agosto de 2011, o IV encontro Monárquico de Minas Gerais, com presença de S.A.I.R., o Príncipe Dom Bertrand de Orleans e Bragança, que fará importante roteiro no Estado.

Confira abaixo:

 19 de Agosto, sexta-feira

Ÿ        17 horas – Recepção ao Príncipe Imperial do Brasil, S.A.I.R. Dom Bertrand de Orleans e Bragança – Aeroporto Internacional Tancredo Neves, Confins.
Ÿ        19 horas – Jantar em Homenagem à Família Imperial do Brasil, com a presença de Dom Bertrand (jantar a la carte por adesão.) – Restaurante “Chopp da Fábrica” – Av. do Contorno, 2736, Santa Efigênia, Belo Horizonte.

20 de Agosto, sábado

Ÿ        8 horas – Recepção aos participantes do EMMG IV. Auditório da Clínica de Olhos “Dr. Ricardo Guimarães”. Rua da Paisagem, 220, bairro Vila da Serra, Nova Lima (paralelo às “Seis Pistas e próximo ao “Shopping BH”).
Ÿ        8h15 – Abertura. Diretoria do Círculo Monárquico de Belo Horizonte e Diretoria do Instituto de Defesa da História do Brasil.
Ÿ        8h45 – Conferência: “Comunicação do Círculo Monárquico de Belo Horizonte, Terceiro Aniversário” – Dr. Walter Gonçalves Taveira. Membro do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais, do Instituto Histórico e Geográfico do Alto Rio das Velhas e do Instituto Histórico e Geográfico do Ciclo do Ouro; ex- Cônsul Honorário do Canadá em Belo Horizonte.
Ÿ        9h15 – Conferência: “A Guerra do Paraguai e a Formação da Identidade do Exército Brasileiro” – General de Brigada Reformado Valmir Fonseca Azevedo Pereira.
Ÿ        10 horas – Intervalo para o “Café de Minas”.
Ÿ        10h30 – Conferência: “Geopolítica do Brasil” – General de Divisão Reformado Carlos Patrício Freitas Pereira.
Ÿ        11h30 – Pronunciamento de S.A.I.R. Dom Bertrand de Orleans e Bragança, Príncipe Imperial do Brasil.
Ÿ        12h30 – Debate aberto.
Ÿ        13 horas – Encerramento dos trabalhos.
Ÿ        13h15 – Almoço (a la carte por adesão)
Ÿ        15 horas – Viagem de Dom Bertrand à cidade de Pompéu para participar da inauguração do Memorial em homenagem a Dona Joaquina, matriarca mineira que tomou parte na Guerra da Independência da Bahia, colaborando com o Imperador Dom Pedro I com recursos de suas fazendas.
Ÿ        18 horas – Inauguração do Memorial de Dona Joaquina do Pompéu.
Ÿ        20 horas – Retorno de S.A.I.R. a Belo Horizonte.

21 de Agosto, domingo

Ÿ        10 horas – Missa da Tradicional Festa de Nossa Senhora da Boa Morte (Rito Tridentino) – Igreja de São Francisco – Largo de São Francisco – Centro Histórico de Sabará, MG.
Ÿ        11 horas – Pronunciamento do Príncipe Imperial do Brasil, Dom Bertrand de Orleans e Bragança.
Ÿ        12 horas – Almoço de Confraternização Monárquica (a la carte por adesão) –
       Restaurante de Sabará.


Mais informações, tais como adesão e hospedagem, em: (31) 3225-4688 – Serviço de Informação Mariana | (31) 9615-6710 – Dr. Mário Guerra | e-mail: novahistoria@imperialbras.com.br

Participe.

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

S.A.I.R. o Príncipe Dom Bertrand de Orleans e Bragança em Belo Horizonte

Por "O Tempo" 



Dom Bertrand Maria de Orleans e Bragança
estará em BH na sexta


"Um movimento que conta com cerca de 7 milhões de adeptos no país e mais de 700 mil em Minas ganhará espaço em Belo Horizonte nesta semana. Na próxima sexta-feira, o príncipe imperial do Brasil, dom Bertrand Maria de Orleans e Bragança, desembarca na capital para discutir a viabilidade de uma mudança no sistema de governo brasileiro com a implantação da monarquia parlamentarista.

O objetivo de quem defende o movimento é o de restabelecer o poder do rei, que poderia indicar um primeiro-ministro, com poderes até para dissolver, a qualquer momento, o Congresso Nacional. Dessa forma, a figura do presidente da República seria eliminada.

Argumentos. Em meio a um cenário de crises e escândalos, a possibilidade de se convocar novas eleições no caso de irregularidades cometidas por parlamentares é um dos trunfos usados pelo movimento Círculo Monárquico de Belo Horizonte para conquistar mais adeptos.

Além da possibilidade de tratar com o devido rigor as irregularidades cometidas em órgãos públicos, os defensores do monarquismo no país alegam que, durante as experiências em que a família real esteve no comando, questões como remuneração profissional e a inflação recebiam uma maior atenção e, por isso, eram melhores controlados.

O Círculo Monárquico de Belo Horizonte, instituição mineira que defende a implantação da monarquia no Brasil, é presidido pelo reitor da Faculdade de Sabará, Mário Lima Guerra.
Saiba mais
Dom Bertrand de Orleans
e Bragança tem 70 anos.

É o príncipe imperial do Brasil desde 1981, quando seu irmão, Dom Luís Gastão, assumiu o posto de Chefe da Casa Imperial Brasileira.

É o terceiro filho de Dom Pedro de Orleans e de Dona Maria Isabel da Baviera.

Dom Bertrand, herdeiro do trono brasileiro, nasceu na cidade francesa de Mandelieu."

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Casamento de Dona Maria Elisabeth de Orleans e Bragança com Pablo Trindade

Celebrado às 17h de 6 de agosto de 2011, na Igreja de Nossa Senhora da Gloria do Outeiro, o casamento de Dona Maria Elisabeth com Pablo Trindade. A cerimônia celebrada pelo Padre Jorjão, foi assistida por cerca de 600 pessoas. Compareceram quase a totalidade dos membros da Família Imperial e também os membros de Famílias nobres aparentadas da Europa, como os Nicolay e os d’ Ursel, além, é claro, dos Ligne. Entre os padrinhos da noiva, os primos, Dom Pedro Alberto (filho de Dom Alberto) e Dona Maria da Gloria (filha de Dom Fernando), Dom Rafael e a Princesa Alix de Ligne. Ao término do casamento, no adro do Outeiro, reuniram-se os convidados para as fotografias, seguindo logo para o Alto da Boa Vista, onde a família de Dona Claudia, os Godinho, possuem um palacete.   

     



Dona Christine, Alix de Ligne, Dona Maria Grabriela (filha de Dom Antonio), Dona Maria Gabriela e Dona Amélia

A Família de Dom Pedro de Alcântara. A Princesa Dona Maria Pia, o marido, Rodrigo Mendes, os filhos, e, Dona Fátima, Dom Pedro, Dona Maria de Fátima e Dona Maria Manuela  


Confira abaixo, com fotos de Sebastião Marinho, a fotoreportagem do Blog da Hildegard Angel:

OB 2 Um maravilhoso casamento de princesa ao estilo fotonovela...
OB 1 Um maravilhoso casamento de princesa ao estilo fotonovela...
OB 4 Um maravilhoso casamento de princesa ao estilo fotonovela...
OB 5 Um maravilhoso casamento de princesa ao estilo fotonovela...
OB 3 Um maravilhoso casamento de princesa ao estilo fotonovela...
OB 6 Um maravilhoso casamento de princesa ao estilo fotonovela...
(Clique para ampliar)

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

A Câmara Municipal de Vassouras recebe a Família Imperial

"A exposição “Família Imperial em Vassouras” marca recorde de público. Mais de duas mil pessoas prestigiaram a exposição que permaneceu aberta durante todo o Festival do Vale do Café.
A Câmara Municipal de Vassouras recebe a Família ImperialA exposição contava com objetos artísticos da família imperial, pinturas em tela e porcelanas, fotos, documentos históricos, como o registro da imprensa sobre a visita da princesa Isabel na região, o casamento do príncipe belga, Michel de Ligne com a princesa Eleonora de Orleans e Bragança.  Um dos destaques da exposição é a árvore genealógica com a apresentação da família até os dias de hoje.

O casarão que foi reformado e entregue a população em julho do ano passado também abriu suas portas para visitação, com o acervo de documentos e objetos do museu da Câmara e o Plenário Sebastião de Lacerda. O presidente da Casa, Renatinho, falou da importância de manter a Casa de Leis aberta durante todo o festival, atendendo a resolução n° 794/2007, que tem como objetivo desenvolver atividades culturais, incentivando as diversas formas de expressão e promovendo o acesso da população as raízes históricas do município.

Estiveram presentes na abertura oficial os príncipes Maria Gabriela e Dom Antônio João de Orleans e Bragança e sua esposa a Princesa Christine de Ligne da Bélgica. Na ocasião foram feitos os agradecimentos pela iniciativa do presidente da Câmara, Renatinho. Também esteve presente a professora de história D. Lielza Lemos Machado, os vereadores Severino Dias e Rosi Farias, o chefe de gabinete, Nilton Oliveira, representando o prefeito municipal e o secretário de Cultura, Marcelo Maracajá. 

Origem da Família Imperial.

A família imperial brasileira teve sua origem na família real portuguesa, descendendo diretamente da Casa de Bragança, em comunhão com as casas de Habsburgo e Bourbon. Foi a soberana do Império do Brasil desde a sua fundação em 1822 até 1889 quando foi proclamada a república brasileira.

Nos tempos da monarquia, Vassouras era destino constante da família imperial. A vinda de d Pedro II em 1848 é foi registrado no livro de Inácio Raposo, o Conde d’Eu é mencionado em visitas aos proprietários da região. Princesa Isabel acompanhada por ele visitou a fazenda cachoeira em 1873.
Em 1964 a cidade de nobres tradições foi escolhida para domicilio de d Pedro Henrique e a princesa Maria Elizabeth da Baviera, dos 12 filhos, oito frequentaram os cursos de primeiro e segundo grau, Colégio de Vassouras e Colégio dos Santos Anjos.

A família sempre prestigiou as manifestações da cidade, participando de exposições comemorativas do aniversário da cidade, o pai dom Pedro Henrique com seus quadros, a mãe dona Maria com suas pinturas em porcelanas. Em 1981, com a morte de dom Pedro Henrique, dona Maria passou a se dividir entre a fazenda Santa Maria e o apartamento da filha, Isabel, no Jardim Botânico, onde atuava voluntariamente como professora de artes plásticas na Ong O Sol, de apoio ao artesão. A princesa dona Maria, durante toda sua vida, trabalhou em prol dos necessitados, sempre de modo discreto.

O atual chefe da Casa Imperial é D. Luís Gastão de Orleans e Bragança, e seu irmão, D. Bertrand de Orleans e Bragança, o atual príncipe Imperial — ambos oriundos do ramo de Vassouras e bisnetos da princesa D. Isabel, são os detentores atuais de jure do título de príncipe Imperial do Brasil e da chefia da Casa Imperial Brasileira."

ATENÇÃO


Em caso de cópia do material exposto: considerando a lei 9610/98, o plágio é crime. As obras literárias e fotográficas existentes neste espaço são de uso exclusivo do Blog Monarquia Já. Ao copiar qualquer artigo, texto, fotografia ou assemelhado, o Blog Monarquia Já deve, obrigatoriamente, ser citado.

Contador de visitas mundial


contador gratis

Contador de visitas diárias


contador gratis

  © Blogger template 'Isfahan' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP