segunda-feira, 11 de julho de 2016

Exposição: Leopoldina, princesa da Independência, das artes e das ciências

Primeira Imperatriz do Brasil é homenageada em exposição no Rio de Janeiro
Imagem: arte MAR


O MAR, Museu de Arte do Rio, recém-inaugurado na Praça Mauá, homenageará a Imperatriz Dona Leopoldina com uma exposição que traz documentos, icnografias quadros e mobiliários inéditos.    

A exposição abre no dia 12 de julho de 2016, às 11h, no 3° andar do Pavilhão de Exposições, a curadoria é de Luis Carlos Antonelli, Paulo Herkenhoff e Solange Godoy e Pieter Tjabbes.

Dona Leopoldina e sporophila beltoni por Natterer 
Walmor Corrêa, 2016. Col. do artista

Palácio de São Cristovão, 1894. 
Belmiro de Almeida. Coleção MAR.

Dona Leopoldina, Arquiduqueza D' Austria, Aproximadamente 1817. 
Jules Antoine Vautier. Coleção MAR  Fundo Z.


Acompanhe o release:

CONVERSA DE GALERIA E APRESENTAÇÃO DE MÚSICA, 11h. 
O Museu de Arte do Rio inaugura Leopoldina, princesa da Independência, das artes e das ciências. Para apresentar ao público a vida de uma das personalidades mais importantes no processo de emancipação do Brasil às vésperas da efeméride dos 200 anos de sua chegada ao Rio, em 5 de novembro de 1817, a exposição reúne aproximadamente 350 peças – entre obras de arte, iconografia, documentos, vestuário e mobiliário, além de itens de botânica, zoologia e mineralogia. A exposição tem a Petrobras como patrocinadora via Lei Estadual de Incentivo à Cultura, o Itaú como copatrocinador, além do BNDES, da Granado e da Andritz Group como apoiadores da mostra. 
Pela primeira vez uma mostra toma conta da passarela que liga a Escola do Olhar ao Pavilhão de Exposições. O espaço será ocupado com uma cronologia narrativa dos principais fatos da vida da Princesa Leopoldina, desde seu nascimento, em 1797, na Áustria, até sua morte em 1826. Nesse contexto, o grande destaque é a coleção de documentos, recém-adquiridos pelo museu, sobre o Congresso de Viena que, realizado em 1815, reorganizou os poderes do continente, então fragmentado por guerras e revoluções. O visitante também poderá entender que o próprio casamento – realizado inicialmente à distância, via procuração – era uma estratégia muito usada pelo país da Europa Ocidental e foi parte dessa tentativa de rever os poderes hegemônicos europeus, expandindo as relações diplomáticas entre Portugal e Áustria. 
A chegada da Princesa abriu as portas das Américas em termos tanto comerciais como culturais e sociais. A exposição faz uma ambientação com móveis da época, que poderiam ter sido usados no Palácio de São Cristóvão, assim como objetos que de fato faziam parte do enxoval, como peças de louça com o monograma do casal. Completar essa atmosfera ficará a cargo do visitante, que poderá usar telas interativas para escolher músicas do período. A vida de D. Leopoldina na cidade também será apresentada por meio de cartas que revelavam sua solidão – aguçada pelas dificuldades da língua e do lugar da mulher na sociedade colonial patriarcal –, suas angústias e estratégias para superar as condições de vida no Brasil, agravadas pelo forte calor e grande quantidade de insetos. 
Cabe ressaltar as relações de tensão e diversidade cultural vividas por Leopoldina no seu encontro com o contexto social marcado pela escravização de negros e indígenas, questão a qual se dedica um dos núcleos da exposição. 
A atuação da Princesa Leopoldina no processo de independência será evidenciada em pinturas e documentos do período que demonstram sua forte articulação política. A mostra lembra a reunião do Conselho de Ministros, presidida por ela, que decidiu pela emancipação do Brasil e terminaria dias depois com o ato simbólico de D. Pedro às margens do rio Ipiranga, declarando a Independência. Essa atribuição heroica ao príncipe regente, que deixa de lado o importante papel de sua esposa, será problematizada pela exposição. Por fim, a mostra lança um olhar para o legado e a forma como sua imagem e trajetória aderiram à história do país. Mesmo com sua morte prematura, aos 29 anos e somente nove após sua chegada aqui, Leopoldina inspirou o nome de ruas, cidades, estações de trem e até mesmo escolas de samba.
Leopoldina, princesa da Independência, das artes e das ciências tem curadoria assinada por Luis Carlos Antonelli, Paulo Herkenhoff e Solange Godoy, e curadoria adjunta por Pieter Tjabbes. A mostra ocupará integralmente o terceiro andar da instituição, que é dedicado ao Rio de Janeiro. 
Para marcar a abertura, às 11h, além da tradicional Conversa de Galeria aberta ao público, uma apresentação de música com Rosana Lanzelotte — em pianoforte, cópia do utilizado por Leopoldina, construído por Anton Walter em 1805 — e Anton Carballo, violinista integrante da Orquestra Sinfônica Brasileira. Na ocasião, será apresentada uma Sonata do austríaco Sigismund Neukomm (1778 – 1858), composta para pianoforte e violino, escrita no Rio de Janeiro em 1819. Este projeto foi contemplado pelo edital de Fomento Olímpico da Secretaria Municipal de Cultura, da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro.

Museu de Arte do Rio – MAR
De terça-feira a domingo, das 10h às 17h
Praça Mauá, 5, Centro, Rio de Janeiro/RJ
(21) 3031 2741

2 comentários :

Marco Almeida 11 de julho de 2016 17:20  

A nossa Imperatriz Leopoldina, a mãe do Império brasileiro. Estarei prestigiando esse magnífico evento cultural.

Marco Almeida 28 de agosto de 2016 19:03  

Estive prestigiando esse magnífico evento e valeu muitíssimo a pena, cada minuto!

ATENÇÃO


Em caso de cópia do material exposto: considerando a lei 9610/98, o plágio é crime. As obras literárias e fotográficas existentes neste espaço são de uso exclusivo do Blog Monarquia Já. Ao copiar qualquer artigo, texto, fotografia ou assemelhado, o Blog Monarquia Já deve, obrigatoriamente, ser citado.

Contador de visitas mundial


contador gratis

Contador de visitas diárias


contador gratis

  © Blogger template 'Isfahan' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP